November 10, 2022

Ambas as entidades realizaram uma palestra e uma feira de apoio aos pais, mães e cuidadores do programa educacional.

Chegar em um novo país sem uma rede de apoio é difícil, principalmente tendo filhos; procurar onde canalizar as dúvidas e como se integrar, por exemplo, no sistema educacional, é mais difícil. Isto é, pelo menos, o que mães e pais do bairro de Santiago que participaram do dia declararam: “A inclusão é tarefa de todos!”

Durante toda uma manhã, o Serviço Jesuíta de Migrantes (SJM) e o programa educacional HIPPY da Fundación CMPC se uniram para abordar as preocupações das famílias estrangeiras pertencentes à HIPPY através da palestra “Regularização e Acesso aos Direitos dos Migrantes”.

“Há dois anos mantemos essa aliança com a CMPC e, portanto, também com o programa HIPPY. Particularmente, o que as conversas fazem é abrir um guarda-chuva com todas as informações centrais do que aconteceu e como a Lei de Migração está sendo atualizada”, explica Paula Tejeda, chefe de Alianças do SJM.

Na Região Metropolitana, o HIPPY atinge cerca de 120 famílias, das quais aproximadamente 80% são famílias migrantes de países como Haiti, Venezuela, Peru ou Colômbia.

HIPPY – é chamado assim devido ao seu nome em inglês Home Instruction for Parents of Preschool Youngsters – é um programa de visita domiciliar que surgiu em Israel há 50 anos e atualmente tem presença em 15 países. Busca capacitar pais e/ou cuidadores a serem os primeiros educadores e formadores de seus filhos, promovendo o desenvolvimento da linguagem, motor cognitivo e socioemocional de crianças entre dois e quatro anos de idade.

“Muitos dos depoimentos das famílias migrantes estão relacionados com o que a HIPPY recupera o senso de comunidade, estabelece novas redes de apoio e contato com outras famílias em condições semelhantes. Então eles não se sentem tão sozinhos em um novo país, portanto, essa aliança com a SJM reforça esse sentimento”, diz Fabiola Gatica, coordenadora da HIPPY Santiago.

Para Yahaira Osorio, integrante do programa HIPPY, “essa palestra é importante porque aprendemos outros novos artigos que surgiram sobre como as pessoas podem se regularizar. Foi uma conversa ampla, muito informativa.

O Serviço Jesuíta de Migrantes dedica-se a apoiar os migrantes em seu processo de inclusão social, acompanhando-os em diferentes momentos de sua adaptação no país, demonstrando à sociedade a riqueza da diversidade humana.

Além dessa palestra, as organizações realizaram uma atividade para as famílias migrantes HIPPY, onde puderam desfrutar de uma feira de empreendedores e stands de ambas as organizações para estar informados sobre as ofertas de emprego, plataformas de solicitação de emprego e processos migratórios. Enquanto os pais, mães, avós e avôs assistiam a essa atividade, as crianças se divertiram, aprenderam e foram cuidadas pelos tutores da HIPPY do bairro de Santiago.