January 3, 2023

O presidente da empresa acusou que “nas últimas semanas pudemos testemunhar como a mão humana está por trás da maioria dos incêndios” e que não se trata apenas de negligência ou erros, mas que “estamos diante de pessoas, ou melhor, criminosos, que só buscam fazer o mal”.

Uma grande mobilização de recursos técnicos e humanos foi experimentada no último 28 de dezembro durante a apresentação dos meios de combate a incêndios para a temporada da CMPC de 2022-2023, no aeródromo Trilahue Base, no bairro de Cabrero, Chile.

Entre os presentes estavam o presidente das Empresas CMPC, Luis Felipe Gazitúa; o Gerente Geral, Francisco Ruiz-Tagle, a delegada presidencial da província de Biobío Paulina Purrán, juntamente com os prefeitos Carlos Toloza (Nacimiento), José Sáez (Yumbel), Manuel Macaya (Collipulli) e Carlos Chandía (Coihueco).

Em primeiro lugar, o Subgerente de Proteção Florestal da CMPC Raúl, Serrano, apresentou os recursos para esta temporada que incluem aviões-tanque, brigada de transporte e helicópteros de transferência de água, máquinas terrestres, carros, brigadistas especializados e multipropósitos.

Logo, o presidente das Empresas CMPC explicou que “o que fazemos é olhar ano após ano para o que há no mundo e ver as melhores práticas, ver os softwares, os equipamentos móveis como helicópteros, aviões e tentar trazer isso de forma que o trabalho seja o mais eficiente e o mais oportuno. Conseguir extinguir um incêndio nos primeiros 15 minutos é uma pessoa salva, uma casa salva, um campo salvo e o meio ambiente protegido”.

Da mesma forma, enfatizou que as perspectivas não são animadoras devido à crise climática e também que” nas últimas semanas pudemos testemunhar como a mão humana está por trás da maioria dos incêndios ” e que não se trata apenas de negligência ou erros, mas que ” estamos lidando com pessoas, ou melhor, criminosos, que só procuram fazer mal”. Nesse sentido, assegurou que ” os brigadistas agora precisam receber proteção para realizar seu trabalho devido ao nível de violência que enfrentamos em algumas áreas de Biobío e Araucanía (…) na CMPC estamos fazendo e faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para que tenham as melhores e mais seguras condições de trabalho”.

Por sua vez, a delegada provincial de Biobío, Paulina Purrán, indicou que “estamos na Base de Trilahue, no bairro de Cabrero, reconhecendo as ferramentas com as quais a CMPC e os brigadistas vão trabalhar nesta alta temporada de prevenção de incendios (…). O apelo à comunidade é para prevenir os incêndios e avisar em caso de suspeita”.

Recursos

Embora a época dos incêndios florestais aumente na época estival, o trabalho de preparação e prevenção é feito sem interrupções ao longo do ano, de forma a fazer face a um fenômeno crescente de áreas ardidas, onde quase 75% são fenômenos intencionais, sendo o restante acidental ou por negligência, restando apenas 1% como responsável perante a natureza.

Diante dessa realidade, os sistemas de detecção são intensificados a cada temporada, e os recursos e tecnologias de combate a incêndios aumentam. A empresa possui atualmente: 22 aeronaves, 1.220 helipontos e helipontos GPS, 32 pistas de pouso e carregamento de água (próprias e conveniadas com Corma e Conaf), 441 bebedouros para carregamento de helicópteros, 64 piscinas de carregamento de aeronaves, 108 brigadas de combate terrestre, equipadas com água e ferramentas (51 brigadas fixas + 57 brigadas polivalentes), 12 brigadas cisternas, com capacidade para 10.000 litros, especializadas para liquidação e 8 brigadas mecanizadas para construção de aceiros.