April 23, 2021

O que vivemos, o que esperamos e as estimativas para o futuro em relação à inovação foram os temais centrais abordados por Andrés Couve, ministro da Ciência e Tecnologia do Chile; Tina Rosefeld, presidenta do Chile Global Angels; e Felipe Alcade, gerente de inovação e Informação da CMPC durante o conservatório “Falemos de inovação: a estratégia do Chile em tempos de pandemia”, organizado por Fibras que Inovam do jornal chileno La Tercera

Este encontro permitiu que os participantes discutissem os principais desafios que a pandemia trouxe em termos de inovação, mas também as várias oportunidades que existem no âmbito público, privado e o que isso significa para as pequenas e médias empresas. 

“A tecnologia tem permitido que o mundo siga funcionando e esses avances tecnológicos têm sido fundamentais para manter um atividade no mundo inteiro”, assegurou o ministro Couve ao iniciar a conversação.

Por sua parte, Alcalde afirmou que ““a primeira coisa para ser capaz de gerenciar a inovação é definir o que queremos alcançar, depois focar no processo de desenvolvimento, e uma colaboração muito transversal onde o que pode ser feito com uma equipe multidisciplinar esteja bem definido para podermos avançar. Isso é algo que medimos e fazemos dentro da CMPC ”.

Da mesma forma, como foi levantado na discussão, o mundo das PMEs tem mantido mudanças significativas na pandemia somada aos desafios naturais que ela acarreta, mas que também tem permitido que mais startups se desenvolvam. A este respeito, Rosefeld comentou que “há empresas que aproveitaram esta situação da educação online, por exemplo, e que estão inovando em termos de educação científica para crianças e adolescentes, tudo online. As empresas se adaptaram rapidamente frente a essas demandas”.

O trabalho remoto também foi uma das principais abordagens, onde os participantes concordaram em que este processo deve ter uma ação legislativa na forma de regulação e um papel de compromisso por parte da empresa.

“O trabalho remoto teve um impacto. Durante a noite, 4.000 funcionários da CMPC trabalharam remotamente em 11 países. Qualquer empresa que quisesse migrar para o home office teria feito pilotos, mas aqui não foi possível devido às consequências da pandemia e aí é necessário apelar à responsabilidade da empresa”, disse o Alcade.

Em relação às projeções, Alcade assegurou “manter-se otimista” e agregou que “algo que a pandemia nos deixou é uma confirmação de que esses elementos de inovação, de resiliência à mudança são questões que não devem desaparecer”.