March 24, 2021

“Esta manhã saímos para vacinar novamente no campo, às pessoas que têm maior dificuldade”, diz Luis Beltran, técnico de enfermagem (TE), enquanto entra em uma das clínicas móveis que há um mês estão percorrendo as áreas rurais das regiões de Biobio e Araucania, ajudando a imunizar a população contra o Coronavírus.

Por estradas de terra e caminhos não sinalizados nas proximidades de Mulchen, Luis Beltran comenta que essa clínica móvel “para o hospital ou para nós, que temos que ir ao campo, tem sido uma ótima iniciativa porque com ela podemos chegar a locais distantes”.

Este é justamente o objetivo perseguido por essa iniciativa, apoiada por Desafio Levantemos Chile e pela CMPC, uma vez que as duas clínicas móveis totalmente equipadas estão cadastrando pessoas online para serem contadas no registro nacional de vacinação do Ministério da Saúde do Chile. 

“Os hospitais, como estão com problemas de pandemia, não têm recursos para sair com uma clínica móvel tal e a contribuição da CMPC e do Desafio Levantemos Chile com esta clínica móvel é uma grande ajuda ao fazer com que possamos chegar a outras áreas rurais às quais não conseguimos chegar a pé, e é realmente muito bom que eles nos deem essa ajuda”, diz Beltran.

Professores, idosos, algumas pessoas com deficiência, doenças crônicas ou qualquer vizinho com problemas de transporte foram atendidos durante essa campanha.

O diretor executivo do Desafio Levantemos Chile, Nicolás Birrell, afirmou que “hoje temos um novo desafio: apoiar os Serviços de Saúde no processo de vacinação, particularmente nas áreas rurais onde muitas vezes não podemos chegar. Por isso, juntamente com a CMPC , disponibilizamos um novo lote de clínicas móveis que, mais uma vez, nos permitirá ser uma contribuição real e concreta nesta segunda fase da pandemia”.

Por outro lado, o gestor de Relações Públicas da CMPC, Augusto Robert, referiu que “como empresa temos feito o esforço de contribuir desde o início desta pandemia, trabalhando de mãos dadas com a comunidade, com as autoridades e instituições de cada município onde temos operações florestais e industriais. Essas clínicas vão percorrer as províncias de Malleco e Biobio e estamos muito felizes em contribuir com o processo de vacinação”.

Duas paradas

Enquanto o motorista da clínica móvel, Luis Medina, parte de Mulchen com toda a equipe a bordo, ele indica que “hoje faremos um trajeto de 45 quilômetros entre uma casa e outra, estamos indo muito longe e são muitas pessoas à nossa espera, muitos idosos doentes que estão acamados e que não têm muitas possibilidades de chegar aos centros de cuidados por sua vacina”.

De fato, Roberta Astete, que cuidou dos seus familiares idosos durante esta pandemia, afirma que “esta é a melhor iniciativa que podiam fazer porque se perceberem (mostra o quarto onde estão), aqui há pessoas com 90 anos e mais ou com doenças crônicas, e a questão de poder levá-los para um lugar é mais arriscado porque eles podem ser contagiados. Acho que é muito valioso que eles venham aqui para ser vacinados”.

Em outra das paradas feitas pela clínica, ele se deparou com o caso da sra. Nieves, quem não conseguia andar. Sua filha, Maria Cea, ressalta que “agradeço a iniciativa da clínica móvel porque assim conseguem chegar às áreas rurais para vacinar todas as pessoas que não podem chegar à cidade, muitos são deficientes e não têm meios e, portanto, todos podem ser vacinados para prevenir esse vírus”.

Depois que Luis Beltran vacinou a Sra. Nieves, ela ficou muito animada em dizer que “é bom que possam vir nos vacinar porque eu não consigo andar” e aproveitou para enviar um recado: “É mau que não se vacinem. Todos os meus vizinhos já estão vacinados”.

Esses casos se repetem em muitas das histórias de pessoas que receberam apoio de clínicas móveis, seja por serem idosos, portadores de doenças crônicas ou simplesmente por desconhecerem esse processo de vacinação, que está instalado no país do dia 3 de fevereiro, e durante esse primeiro trimestre foi dirigido a grupos prioritários como pessoas com mais de 65 anos, pessoal de saúde, pessoas residentes em Centros de Longa Permanência, pessoal crítico da Administração Estatal e pessoas com comorbidades ou doenças de base.

Até o momento, mais de 5 milhões de pessoas foram vacinadas com a primeira dose no Chile e espera-se que até o primeiro trimestre do ano toda a população em risco tenha sido principalmente coberta, e ao final do primeiro semestre de 2021 atingir 80% da população.

Ao final desse passeio na clínica móvel, o profissional TE afirma que “atingimos a meta do dia, de vacinar mais de 10 pessoas, estamos super bem”.

As clínicas móveis vão visitar os municípios de Laja, Huepil, Nacimiento, Yumbel e Mulchen, entre muitos outros, até 15 de maio, apoiando a campanha de vacinação domiciliar, com foco em idosos, e aplicando duas doses, de acordo com o programa de vacinação estabelecido pelas autoridades sanitárias, o que permitirá gerar imunidade após a segunda aplicação.