November 12, 2020

“Quando o fogo chegou nos deixou de braços cruzados, chegamos a um lugar onde havia cinzas e escombros”, relembra com muita emoção, como se estivesse revivendo aqueles momentos trágicos, Mónica Sepúlveda, presidente da Câmara Municipal de Santa Olga.

Antes de 2017 Santa Olga era uma cidade que poucos sabiam que fazia parte da comuna de Constitución na região do Maule, no Chile, mas depois daquele verão, há quase quatro anos, tornou-se o símbolo da devastação causada por um mega incêndio que afetou  aproximadamente cinco mil moradores da região, os quais também testemunharam como as chamas e os ventos consumiram, minuto a minuto, mais de mil casas e, consequentemente, os sonhos de muitas famílias.

Hoje, enquanto Mónica percorre as ruas de Santa Olga, comenta como tem sido o processo de reconstrução, que engloba não só o estrutural, mas também a recuperação da qualidade de vida da população local.

Fornecer a infraestrutura básica para as famílias dessa cidade foi o ponto de partida que reuniu autoridades, empresas privadas e os próprios moradores. Por isso, foram reconstruídas as casas, o Colégio Polivalente Enrique Mac Iver, ruas, estradas e duas sedes sociais. Mas faltava um ponto de encontro ao ar livre para as famílias da região.

Por isso foi que a CMPC em conjunto com o arquiteto Matías Zegers e a Universidade de San Sebastián realizaram o projeto arquitetônico e a construção do Parque Urbano Santa Olga. O lugar possui 1,5 hectares, além de uma praça central que conecta o público com trilhas, que levam os visitantes a playgrounds, áreas de exercícios, anfiteatro, áreas de descanso e mirantes.

Estiveram presentes na solenidade de inauguração do parque Santa Olga o governador da província de Talca, Felipe Donoso; o seremi de Habitação e Urbanismo, Gonzalo Montero; o prefeito do município de Constitución, Carlos Valenzuela; o diretor regional da Conaf, Roberto Mena; o presidente das Empresas CMPC, Luis Felipe Gazitúa; o gerente geral das Empresas CMPC, Francisco Ruiz-Tagle; a diretora executiva da Fundação Reforestemos, Suzanne Wylie; o diretor executivo do Desafío Levantemos Chile, Nicolás Birrel; e o ex-Subsecretário de Obras Públicas e ex-Coordenador Nacional para a Reconstrução das áreas afetadas pelos incêndios florestais de 2017, Sergio Galilea.

Durante a solenidade, o presidente das Empresas CMPC, Luis Felipe Gazitúa, explicou: “Para a nossa empresa, fazer parte da reconstrução de Santa Olga é uma demonstração do nosso compromisso com os nossos vizinhos, sobretudo em tempos tão complexos como este. Durante esses anos, admiramos a capacidade resiliente  de progredir e se reerguer após uma tragédia como esta. Para nós é um orgulho ter conseguido realizar este belo desafio de mãos dadas com a comunidade”.

“Quando dissemos que tínhamos que fazer da tragédia uma oportunidade, nunca imaginamos que chegaríamos a um nível de reconstrução tão importante quanto o de Santa Olga. Com a chegada de tantas empresas, a CMPC foi a primeira a enviar uma mensagem positiva. Estamos em um parque que nunca imaginamos, e que para nós é sinônimo de alegria e um grande exemplo para o país. Isso é associatividade, acreditar na história, é responsabilidade social corporativa de uma forma tangível e tão bela”, explica Carlos Valenzuela, prefeito de Constitución. 

O parque também possui em sua esplanada um grande passadiço de madeira de 5 metros de largura e 80 metros de comprimento, que termina em uma passarela de 40 metros de altura que dá para a ravina do rio Purapel. Somado a isso, o projeto paisagístico é uma das características distintivas deste espaço que aproveitou plantas e ervas. Zegers explicou que no parque também existem diferentes áreas: “O projeto contemplou  a construção de jardins de inverno bem parecido com os que existiam nas casas antes do incêndio”.

Plano de combate a incêndios

Durante a cerimônia foram plantadas simbolicamente no Parque, árvores nativas da região, que são as mesmas cultivadas no viveiro Carlos Douglas da CMPC, localizado na região do Biobío.

Esta última etapa contou com o apoio da comunidade. “Estamos aqui juntos para ajudar e cooperar. Amanhã vamos ver aquela arvorezinha e dizer: aqui estávamos e ajudamos a fazer isso”, afirma Mónica Panchilla, moradora de Santa Olga.

“Isso é espetacular. O pessoal no verão virá para à beira do rio para fazer um churrasco”, disse Marta Rivera, moradora de Santa Olga, que valoriza o fato de o parque ter sido construído  de mãos dadas com os moradores do setor.

Sabendo que os incêndios florestais não distinguem espécies, é se decidiu dar ênfase na continuidade da expansão do plantio do bosque nativo da região. Por isso, na ocasião a CMPC firmou convênio com a Fundação Reforestemos para ajudar a proteger o meio ambiente, a biodiversidade e o cuidado e preservação da vegetação nativa.

A diretora executiva da Fundação Reforestemos, Suzanne Wylie, destacou: “As mudanças climáticas significaram um aumento evidente dos riscos de geração e propagação de incêndios florestais, que afetam fortemente o patrimônio natural de todos, sem discriminação. Nós da Fundação  Reforestemos, estamos convencidos de que a colaboração multissetorial é a chave para evitá-los, onde cada ator contribui com sua experiência e expertise ”.

Por sua vez, Luis Felipe Gazitúa, presidente das Empresas CMPC destacou: “Na CMPC levamos muito a sério os nossos compromissos, tal como o fazemos com a árdua tarefa de prevenção e combate aos incêndios rurais, bem como na recuperação e restauração das áreas afetadas. Um exemplo disso é a Reserva Los Ruiles, onde nossa equipe florestal realiza até hoje um trabalhado árduo de recuperação, inclusive dobrando sua superfície e ultrapassando os 300 hectares de área protegida na região de Maule”.

O executivo também aproveitou para anunciar o plano de combate aos incêndios da empresa para a temporada 2020-2021, que contará pela primeira vez com uma brigada florestal central que terá base operacional na região metropolitana de Santiago. Esta brigada central estará à disposição das emergências e também realizará atividades de prevenção e educação para que a população possa ajudar na proteção dos parques metropolitanos.

A isso se acrescenta que a CMPC atuará  no combate aos incêndios com mais de mil brigadistas e vinte aeronaves.

Arriba Todos Juntos

Desde que a pandemia causada pelo coronavírus se instalou no Chile em março deste ano, María del Carmen Leal, natural da comuna de Laja, região de Biobío, passou cinco meses sem conseguir abrir seu negócio, a Papelaria Leal.

Esta loja aberta há 55 anos como um espaço de troca de revistas conseguiu transformar-se no que hoje. Nela se vende de tudo, desde material escolar, material de escritório e presentes.

Mas suas atividades foram interrompidas pela chegada do novo vírus. “Cortamos as horas pela metade e tivemos que despedir uma pessoa”, confessa.

Mas hoje ela vê a situação com mais otimismo. A Papelaria Leal de Laja já conta com todas as medidas sanitárias para evitar possíveis infecções causadas pelo coronavírus, para assim receber novamente seus clientes.

Em agosto, María del Carmen foi contatada por executivos da CMPC para apresentar o plano “Arriba Todos Juntos”, que consiste justamente em apoiar pequenos e médios empresários e agentes de turismo das regiões de Biobío e La Araucanía com implementos de higiene cuidado, além de sinalização com mensagens que reforçam protocolos de prevenção, como lavagem frequente das mãos, uso obrigatório de máscaras, distanciamento social, entre outros.

Este plano visa a reativação económica em cada área de forma segura, tanto para os empreendedores como para os seus clientes, tão pronto autorizem oficialmente a reabertura dos estabelecimentos comerciais e turísticos.

O projeto vai beneficiar mais de 500 empresários de 14 comunas das regiões citadas, sendo elas: Carahue, Toltén, Contulmo, Lumaco, Cañete, Angol, Victoria, Collipulli, Loncoche, Temuco, Los Ángeles, Laja, Nacimiento e Renaico.

Além disso, a iniciativa será replicada na comuna de Puente Alto, na região metropolitana, nas próximas semanas.

Assim, o “Arriba Todos Juntos” – que inclui um orçamento de cerca de US$ 1 milhão – contempla três etapas: “Preparando para sair”, que visa a entrega de elementos de proteção e prevenção de contágios; “Plano de Empreendedorismo”, que considera disponibilizar ferramentas e oportunidades de emprego e desenvolvimento de negócios; e o “Plano de Destino”, que visa convidar a população, tanto locais como do resto do país, a redescobrir as referidas zonas, destacando os seus atrativos turísticos e comerciais.

No dia 1º de outubro, no Ristorante Patrimonial e Emporio Montecorone da localidade de Capitán Pastene, município de Lumaco, região de La Araucanía, -um dos empreendimentos beneficiados pelo programa-, CMPC lançou oficialmente o “Arriba Todos Juntos”.

A cerimônia contou com a presença do prefeito (intendente) da região de La Araucanía, Víctor Manoli; o governador de Malleco, Juan Carlos Beltrán; o prefeito de Lumaco, Manuel Painequeo; o subsecretário de Turismo, José Luis Uriarte; do seremi de Economia, Francisco López; do seremi de Arte, Cultura e Património, Enzo Cortezzi; o diretor regional da Sernatur, César González; o gerente de Relações Públicas e Sustentabilidade da CMPC Celulosa, Augusto Robert; representantes e sócios da Câmara de Comércio e Turismo Capitán Pastene; e empreendedores beneficiados.

Como María del Carmen Leal, Cecilia Lagos das cabanas “Alto los Corrales” de Angol; Isolina Huenulao da Vinícola Wuampuhue de Carahue; Dania Morales do Etnoturismo Huapitrio de Collipulli; Silvana Benítez do Bistró Casa Kortwich de Contulmo; Práxedes Zapata das cabanas Peumayen de Toltén; Marlon Herrera da Bon Appetit Trattoria de Victoria, entre outros, são alguns dos beneficiários do programa. Saiba mais sobre suas histórias no Início de nosso site.

“Arriba Todos Juntos” é mais uma iniciativa que a CMPC está desenvolvendo desde o início do ano motivada pela crise causada pela COVID-19.

Veja abaixo outras iniciativas impulsadas pela empresa.

Máscaras para a América Latina

Para poder contribuir com o cuidado das pessoas, principalmente neste momento de pandemia causada pelo coronavírus, a CMPC doou 16,450 milhões máscaras cirúrgicas nos diferentes países da América Latina onde mantém suas operações industriais.

Na Argentina foram doadas 2,8 milhões máscaras; no México 2 milhões; no Peru 3,4 milhões; no Brasil 4,5 milhões e no Chile 3,750 milhões.

No caso do Chile, do total doado até o momento, 3 milhões foram entregues ao Centro Nacional de Abastecimento (Cenabast) que distribuirá o material aos centros de saúde públicos e instituições que a entidade julgar convenientes. Outros 400 mil foram entregues ao Serviço Eleitoral Nacional -por meio do Cenabast- para que, no plebiscito realizado no dia 25 de outubro, fossem distribuídos aos mesários de todo o país – além de 42 mil frascos de álcool gel. – distribuídos no dia da eleição. E outras 350 mil máscaras foram doadas para a comunidade de Puente Alto, na região metropolitana de Santiago, onde foram entregues aos conselhos de bairro e lares de idosos da comuna; ao Ministério da Justiça; à Fundação Teletón que distribuirá às famílias de todo o país; e na zona sul – onde a CMPC tem operações – para diferentes locais nas regiões de Biobío e La Araucanía, incluindo Los Ángeles, Angol, Nacimiento, Collipulli, Mulchén e Negrete.

CMPC Solidária

Outra iniciativa que pretende ajudar os mais afetados pela crise do coronavírus é a “CMPC Solidaria”.

O projeto consiste na entrega de almoços para idosos nas comunas onde a CMPC tem presença industrial e florestal no sul do Chile, muitos dos quais estão tendo dificuldades para atender às suas necessidades básicas.

Os almoços solidários foram entregues de segunda a domingo em seis municípios do sul do Chile. Por dia foram entregues de 60 a 150 refeições por município, que no final de setembro, totalizaram mais de 55 mil refeições. Assim, os almoços solidários estão sendo distribuídos também no município de Puente Alto e também no setor de Bajos de Mena desse mesmo município da Região Metropolitana. Somando as duas iniciativas, já foram entregues 300 mil almoços.

Certos também que a pandemia causada pela Covid-19 causou um forte impacto na saúde e na economia de centenas de famílias, a empresa também buscou alinhar as diferentes necessidades das pessoas destes locais, motivo pelo qual, buscando revitalizar as pequenas e medias empresas locais, foram contratados serviços de preparação de alimentos, além de cozinheiros e vans escolares para ajudar na distribuição das refeições para cada idoso, muitos dos quais não conseguem suprir suas necessidades básicas.

Todo o procedimento é realizado respeitando os rigorosos protocolos sanitários a fim de evitar possíveis contágios da Covid-19. Para isso, protocolos e equipamentos de proteção sanitária, como máscaras, luvas, protetores faciais e álcool gel são entregues a cada equipe de cozinheiros e despachantes.

Na mesma linha, a empresa vai doar 200 mil almoços no setor de Bajos de Mena em um período de um mês.

O aporte consiste em alimentos para 30 panelas comuns que vão distribuir perto de 6 mil rações diárias aos moradores das vilas pertencentes ao referido setor.

Apoio à população em risco

Da mesma forma, e com o objetivo de ajudar a atender a população mais carente a CMPC, também através da Softys, doou ao Serviço Nacional de amparo ao idoso do Chile (Senama) 100mil unidades de fraldas geriátricas e mil unidades de frascos de álcool gel Elite Professional de 1 litro.

O Senama ficará encarregado de distribuir os produtos às regiões de Araucanía, Biobío, Ñuble e Metropolitana, que se vêm mais afetadas pela contingencia.

Além disso, no dia 28 de abril, na casa de governo do Chile, a empresa oficializou sua contribuição para nove residências do Serviço Nacional de Menores (Sename), que consiste em elementos de higiene e prevenção, como álcool gel, luvas cirúrgicas, máscaras cirúrgicas, jalecos e protetores faciais e que beneficiarão 251 meninos e meninas altamente vulneráveis ​​de lares do Sename das localidades de Puente Alto (3 lares), Los Angeles (4), Collipulli (1) e Cañete (1).

Seguindo essa linha, no dia 30 de abril, a empresa também doou ao município de Talagante (região Metropolitana) 30 litros de sabão líquido, 30 litros de álcool gel, 60 rolos de papel toalha, 100 pacotes de toalhas molhadas, 200 rolos de papel higiênico e mil máscaras.

Também, a CMPC doou 100 mil fraldas à Teletón do Chile, para serem distribuídas entre as famílias da instituição, e a empresa anunciou uma nova contribuição composta por 20 mil máscaras cirúrgicas para apoiar o trabalho dos profissionais da Teletón, especialmente para quando retornem a atender presencialmente em seus centros de reabilitação.

Da mesma forma, no início de setembro, a empresa oficializou a sua contribuição para melhorar as condições da Residencia Espejo Transitoria de Puente Alto, local onde os idosos podem residir temporariamente enquanto estão em quarentena por coronavírus, e graças à doação da CMPC os residentes terão um espaço equipado, confortável e seguro.

Proteção para recicladores de base

Além disso, a CMPC, comprometida com os recicladores de base chilenos, doou 250 kits de higiene e cuidados pessoais em conjunto com o Ministério do Meio Ambiente e a Sociedade de Fomento Fabril (Sofofa), e com a Prefeitura de Santiago, oficializou a contribuição de outros 250 kits e cestas básicas para recicladores de base que mantêm relacionamento com a empresa por meio de sua subsidiária Fibras, a maior recicladora de papel e papelão do país.

Sanitização de ruas e espaços públicos

Por outro lado, a empresa está tomando medidas sanitárias nas comunas chilenas de Puente Alto e Buin (região Metropolitana), Santa Juana, Santa Bárbara, Quilaco, Contulmo, Tirúa, San Rosendo, Nacimiento, Laja, Los Ángeles e Mulchén ( Região do Biobío); Angol, Los Sauces, Collipulli, Ercilla, Victoria, Nueva Imperial, Cunco, Chol Chol, Carahue, Toltén, Loncoche, Cañete, Gorbea e Villa Mininco (La Araucanía), que incluem a desinfecção de espaços públicos, entradas de centros de saúde, acessos as plantas da empresa e ruas mais movimentadas.

Clínicas Móveis

Além disso, juntamente com a Fundação Desafio Levantemos Chile, a CMPC implementou, entre abril e setembro, oito “Clínicas Móveis”, uma iniciativa que buscou descongestionar a rede pública e privada de saúde das regiões de Biobío e Araucanía, no sul do Chile, e na localidade de Puente Alto, na Região Metropolitana, por meio de vans que permitiam levar atendimento médico a residências particulares, entregar medicamentos, realizar vacinação contra a gripe (influenza) e o teste de detecção do coronovírus.

No total, as Clínicas Móveis percorreram mais de 34 mil quilômetros, o que equivale à distância de ida e volta entre o Chile e o Japão.

Hospital de campanha no sul do Chile

Desde março deste ano, a CMPC vinha realizando uma reforma do seu antigo escritório localizado na cidade de Los Angeles, região do Biobío, Chile, para transformá-los em um hospital de campanha que busca auxiliar o serviço regional de saúde a descongestionar o Complexo de Assistência Dr. Víctor Ríos Ruiz, No dia 4 de junho, a CMPC entregou às autoridades regionais de saúde as instalações da avenida Alemania totalmente habilitadas.

Este novo hospital de campanha conta com espaços clínicos, sala de reanimação, móveis clínicos e administrativos, utensílios e acessórios de banheiro com o fornecimento de água potável quente e fria, além de espaço para pernoite de funcionários.

Comprometidos com os nossos colaboradores

Como empresa também tomamos diferentes medidas e geramos várias ações que nos permitem cuidar de nossos trabalhadores e continuar com a produção de produtos que hoje são tão necessários para as pessoas.

A continuidade das nossas operações é de extrema importância, porque os produtos que fabricamos – como celulose, produtos tissue, papelão, madeira, entre outros – são fundamentais para a elaboração de artigos tão necessários para a sociedade nestes dias, como máscaras, fraldas, papel higiênico, embalagens de alimentos ou medicamentos, etc.

Desde fevereiro, a empresa implantou seu protocolo progressivo de gerenciamento interno que garante total conformidade com as recomendações das autoridades de saúde em todo o mundo e localmente. Estes protocolos se atualizam periodicamente em cada país onde a CMPC mantém suas operações e tem como base as melhores práticas internacionais.

De fato, preventivamente, estamos tomando medidas para operar com o menor número possível de colaboradores, cientes de que minimizar o risco de exposição e contágio requer evitar o máximo possível o contato entre as pessoas.

As medidas de cuidado e proteção para toda a equipe da CMPC, em todos os países em que operamos, incluem a implementação imediata do trabalho remoto dos profissionais das áreas administrativas – medida implementada desde 16 de março e que tem funcionado corretamente – a adaptação de turnos operacionais para minimizar o contato em nossas plantas e a implementação protocolos para serviços de limpeza, alimentação e transporte.

Algumas das medidas implementadas nas plantas foram: limpeza e desinfecção permanente, controle de reuniões coletivas, implementação da distancia de segurança entre os colaboradores, aumento do número de ônibus de traslado para o transporte mínimo de pessoas, entre outros. Permanentemente se analisam novas medidas para incorporara-las ao protocolo.

Sem o trabalho diário realizado por todos os colaboradores em planta – junto à observância dos protocolos de segurança e higiene – não seria possível dar continuidade as operações necessárias para manter a cadeia produtiva a serviço da sociedade. A todos vocês meu muito obrigado!

Além disso, tomamos outras medidas de precaução que ajudam a minimizar o contato com o vírus. Viagens nacionais e internacionais foram canceladas, favorecendo reuniões virtuais, por telefone ou videoconferência. A participação em eventos também foi suspensa até novo aviso.

Para manter informados os colaboradores da empresa, o gerente geral da CMPC, Francisco Ruiz-Tagle, conduziu Diálogos por videoconferência, acompanhado pelo Dr. Carlos Pérez, reitor da faculdade de Medicina da Universidade San Sebastián (Chile) e especialista em doenças infecciosas, com colaboradores das fábricas das três áreas de negócios.

Além dos Diálogos, o gerente geral visitou as fábricas da CMPC Celulose no sul do Chile (Pacífico, Santa Fe e Plywood) para corroborar em campo as medidas de segurança e higiene, além de conversar com os colaboradores e responder dúvidas e preocupações.

A empresa continua atenta à evolução e ao impacto do coronavírus nos diferentes mercados em que atua para poder gerar medidas que permitam lidar com essa situação de forma rápida e responsável.