September 14, 2022

Roble (carvalho) e raulí são as duas espécies que foram plantadas por cerca de cinquenta voluntários de escolas, universidades e da CMPC, para colaborar com o reflorestamento do Parque Nacional Nonguén, que, em 2020, sofreu um incêndio devastador que arrasou com mais de cem hectares desta área silvestre protegida, administrada pela Conaf.

Dois anos de intenso trabalho tiveram a Fundação Reforestemos, a Conaf e a CMPC, que, em janeiro de 2021, uniram-se em uma aliança para reflorestar o Parque Nacional Nonguén, após um incêndio que consumiu uma centena de hectares do único parque periurbano do país. Até agora, o trabalho permitiu o plantio de mais de 48 mil árvores nativas, além de trabalhar com voluntários, educação ambiental e prevenção de desastres futuros.

O pulmão verde, cuja entrada principal fica a apenas 15 minutos do centro de Concepción de carro, tem uma área de 3.060 hectares e acaba de completar um ano de sua recategorização como parque nacional, o que permite maior proteção como um ecossistema rico em mata nativa e espécies animais únicas do país.
Mas os benefícios de estar perto da cidade também aumentam seus riscos. Pensando nisso, foi criada essa aliança, que permitiu a chegada de mais de 50 voluntários que, com pás e enxadas, plantaram mais de 300 árvores, elevando o total para 48.300 plantadas nos dois anos de intenso trabalho.

Suzanne Wylie, diretora executiva da Fundación Reforestemos, explicou que “o acordo com a Conaf Biobío e a CMPC possibilitou trabalhar na restauração desta importante área silvestre protegida em nosso país. Graças a essa aliança público-privada, hoje somos voluntários junto à comunidade local e, até o momento, conseguimos implementar várias ações de prevenção de incêndios, germoplasma, reflorestamento nativo e educação.”

Uma das lições aprendidas com o devastador incêndio de 2020 é que não havia heliportos, e, se houvesse, isso aceleraria o movimento dos combatentes. O diretor regional da CONAF, Rodrigo Jara, falou sobre as melhorias que foram feitas: “Esta aliança gerada possibilitou a instalação de dois heliportos na área alta do parque, o que facilitará o combate a possíveis incêndios e, além disso, está sendo feito um trabalho para conscientizar as pessoas de que é necessário proteger este lugar, principalmente porque está tão próximo do centro de Concepción”.

O prefeito de Chiguayante e presidente da Associação de Municípios do Parque Nonguén, Antonio Rivas, valorizou este evento. “Há dois anos sofremos um dos piores incêndios, por isso felicito que tantos jovens se reúnam para plantar e, desta forma, preservar o grande pulmão verde que temos nas nossas comunas”, disse.

Ignacio Lira, subgerente de Assuntos Corporativos da CMPC, destacou a parceria público-privada. “Neste segundo ano de trabalho conjunto com a Conaf Biobío e a Fundação Reforestemos, pudemos ver resultados muito favoráveis ​​em relação às ações de reflorestamento das áreas afetadas pelo incêndio de 2020 no Parque Nacional Nonguén. Tudo isso nos deixa uma grande lição, pois quando diferentes atores se unem em uma causa comum, como preservar esse espaço periurbano para as gerações futuras, o progresso é muito mais rápido”, declarou.

Voluntários em ação

Sob os auspícios da aliança público-privada, voluntários foram convidados duas vezes para realizar trabalhos de plantação no Parque Nacional Nonguén. Assim foi promovido este ano um novo convite que reuniu voluntários de escolas, universidades e organizações da área, apoiados pelo INJUV do Biobío.

Fabián Barra, do Liceo Ceat, de San Pedro de la Paz: “Tem sido uma experiência super gratificante a de poder ajudar a natureza e ver que podemos tomar ações que possam mitigar as mudanças climáticas, e ver que muitas pessoas se unem a elas, é uma experiência única e nova”, disse.

Vicente Stintz, estudante de Biotecnologia Vegetal da Udec, tem uma visão semelhante: “Me faz sentir que estou devolvendo algo à natureza. Com certeza trarei meu filho e minha família quando voltar ao parque, pois fiquei maravilhado com toda a natureza do lugar, e ter uma forma de restaurar isso me enche de felicidade”, disse.

Beatriz Quiñones é aluna do último ano do ensino médio no Liceo Ceat, em San Pedro de La Paz: “É uma boa experiência e também queria conhecer a Reserva. Com isso poderemos vir e vê-la no futuro, e dizer que ajudei a plantar essas arvorezinhas”, afirmou.

Adicionalmente, quanto à prevenção de incêndios (silvicultura preventiva), foi aberta uma estrada de 1,5 km para facilitar o acesso das brigadas.