September 14, 2022

A exposição, que ficará disponível até janeiro de 2023 no Museu Artequin, contempla diferentes obras do mundo mapuche, além de mostras culturais e patrimoniais. Nela, será exposto o “Ngüren”, um tear de quase 1 quilômetro de comprimento, certificado neste ano como o maior do gênero.

Entre 12 de setembro de 2022 e 29 de janeiro de 2023, a exposição “Tononwitral: Contos tecidos do sul do mundo ” estará aberta ao público no Museu Artequin em Santiago, uma exposição que é realizada em colaboração com a CMPC. Nela serão expostos diversos trabalhos em tear, bem como os componentes que fazem parte dele. Além disso, a medicina tradicional, uso de plantas e ervas, patrimônio natural, entre outros temas, serão aprofundados.

Uma das atrações da exposição será o “Ngüren”, o maior tear do mundo, que foi feito neste ano por 426 tecelãs mapuches de diversas partes do país, e que superou o recorde anterior estabelecido por tecelões chineses. A obra nacional representa um Relmü, arco-íris em “mapudungun”.

Carolina Pérez, subsecretária de Patrimônio Cultural do Ministério da Cultura, Artes e Patrimônio, avaliou a exposição que estará disponível até janeiro de 2023, indicando que considera “que uma exposição como esta, no momento em que estamos como país, é profundamente relevante porque abre as portas para a cosmovisão mapuche, uma cosmovisão de um povo com quem, como Estado, temos uma dívida gigantesca. Uma dívida histórica, a qual, infelizmente, a maioria de nós, que vive neste país, ignora muito (…) Acho que é efetivamente uma exposição que nos convida a perguntar-nos que país queremos tecer juntos, como reconhecemos uns aos outros, como entendemos os valores das diferentes culturas e como concebemos os espaços que essas culturas ocupam em nosso país.”

A exposição ficará localizada no primeiro andar do Pavilhão de Paris do museu e será articulada em diferentes áreas englobadas por conceitos como cestaria, teares, espécies nativas, ervas medicinais, animais, entre outros.

Carmen Vergara, uma das cofundadoras da Artequin e presidente do conselho da Corporação Espaço para a Arte Artequin, agradeceu às tecelãs mapuches que decidiram expor seus trabalhos no museu, bem como à CMPC, por sua contribuição para o recorde mundial. Vergara destacou: “bem-vindos à tessitura, conceito que inspira esta exposição. Trama, tecido, textura, fio, malha. Esta exposição une dois mundos, constituídos pela fibra. A árvore, base da indústria da madeira e da celulose, e por outro lado a tecelagem, arte tradicional e centenária das mulheres mapuches. Aprenderemos sobre fibra, cestaria, teares, espécies nativas, ervas medicinais, aves e, o mais importante, ouviremos testemunhos vivos de suas tecelãs e artesãs”.

Por sua vez, o presidente da CMPC, Luis Felipe Gazitúa, afirmou que “em plena pandemia, tive a oportunidade de participar de um curso de especialização sobre cultura e língua mapuches. Aprendi muito com meus professores, entre eles Ariel Traipi Huilipán, presidente da Fundação Chilka, que liderou este notável esforço para criar, junto com as tecelãs locais, o maior tear do mundo. Nessas aulas aprendi sobre “kimche”, “norche”, “kümeche” e “newenche”, as qualidades positivas que definem e caracterizam cada mapuche. São expressões que nos falam do valor do conhecimento, do agir com retidão, de forma transparente e sábia. Trata-se, também, de princípios tão universais e básicos para nossa convivência cotidiana que parecem diluir aquelas vastas distâncias que alguns querem instalar entre as culturas ancestrais e as sociedades posteriores ou atuais”.

Tonowitral significa tessitura, e é precisamente isso que se encontra na exposição. Uma tessitura do patrimônio material e imaterial do mundo mapuche. Esta exposição é uma nova forma de contar o que é passado de geração em geração na cultura dos povos originários.

Esta “tessitura” será dividida em duas partes: por um lado, referindo-se a objetos feitos de fibras e, por outro, abordando a medicina tradicional mapuche, onde podem ser observadas mais de 40 espécies nativas endêmicas do Chile.

Por fim, Yennyferth Becerra, diretora executiva do Museu Artequin, destacou: “neste mês de setembro, em que celebramos nossa tradicional festa, nada melhor do que convidar crianças, jovens e suas famílias para fazerem parte desta incrível jornada pela cultura e pelo patrimônio do sul do Chile “.

 

“TONONWITRAL: Contos tecidos do sul do mundo” 

ONDE: Museu Artequin Santiago (Avda. Portales, 3530, Estação Central). 

DATA: Entre 13 de setembro de 2022 e 29 de janeiro de 2023. 

HORÁRIO: De terça a sexta das 09h às 17h. Fins de semana e feriados das 11h às 18h. Fechado segunda-feira.

VALORES: Entrada geral – $ 2.500. Crianças, estudantes e idosos – $ 1.000. Domingo – contribuição voluntária.