November 7, 2022

Participaram do evento representantes da HIPPY de língua espanhola dos Estados Unidos, Paraguai, Argentina e Chile, que trocaram experiências do programa que busca capacitar pais e cuidadores como primeiros educadores.

“Como gerenciamos a motivação das famílias no HIPPY”, foi o tema central da Reunião Anual de tutores da HIPPY LATAM, que reuniu mais de 120 tutores representando o Paraguai, Argentina, Estados Unidos e Chile, que aproveitaram para trocar estratégias e experiências no programa.

HIPPY – denominado assim pelo seu nome em Inglês Home Instruction for Parents of Preschool Youngsters – é um programa de visita domiciliar que surgiu em Israel há 50 anos e atualmente está presente em 15 países.

No início do dia, o CEO da HIPPY International, Benny Feifel, também se conectou ao encontro de Israel, que destacou o papel de tutores em cada país. Ele enfatizou a grande responsabilidade que eles têm, uma vez que são responsáveis por educar pais, mães e cuidadores, para que sejam os primeiros educadores de seus filhos e filhas. Ou seja, “eles são a base do programa HIPPY”, disse ele.
Este programa busca capacitar os pais e/ou cuidadores a serem os primeiros educadores e formadores de seus filhos, promovendo o desenvolvimento de linguagem, motor cognitivo e socioemocional de crianças entre dois e quatro anos de idade.

Seguindo a linha de seu objetivo, durante a reunião procurou-se compartilhar e tornar visível entre todos os participantes o progresso das crianças. Cada país comentou sua estratégia para fortalecer o trabalho com os pais para permanecer no programa e manter a flexibilidade com as tarefas, os horários e o contexto, dependendo da situação de cada família.

“É maravilhoso ver como o HIPPY funciona em diferentes contextos. A HIPPY tem esses pilares que são os mesmos em todos os lugares, entre os quais está o papel do tutor comunitário. É um dos elementos que originalmente nos fascinava sobre a HIPPY e que se confirma toda vez que você ouve essas grandes mulheres falarem com amor sobre o programa e como elas estão construindo dia a dia a partir das interações com suas famílias”, disse Carolina Andueza, diretora executiva da Fundação CMPC, que atuou como moderadora da reunião anual.

Intervenções

Durante esta instância, os tutores, que foram os protagonistas desse encontro, trabalharam em grupos em torno de conselhos para gerenciar a motivação das famílias HIPPY.
Vanessa Jara, tutora da HIPPY de Ercilla, disse que para manter o interesse das famílias é preciso dar visibilidade às conquistas de seus filhos e felicitar o progresso. “Compartilhar o trabalho das crianças em grupos de WhatsApp para motivar outras mães, mostrando que as atividades são alcançáveis, são algumas das ações que também servem”, disse.

A tutora HIPPY de Cañete, Victoria Zambrano, disse que “é importante que os tutores possam compartilhar sua própria experiência para que as mães vejam que as atividades são fáceis de realizar, divertidas e apropriadas à idade das crianças”.

Para Doris Venega, tutora HIPPY de Chiguayante, também é muito importante manter um diálogo constante com as famílias, utilizando mensagens motivacionais semanalmente. “Também reconhecer os progressos e conquistas das famílias e seus filhos, ganhando assim confiança e segurança, e motivando-os a continuar”, disse.

De Loncoche, a tutora Linda Parra, comentou sobre a importância de motivar as famílias, utilizando diferentes estratégias como antecipar famílias sobre os próximos materiais e livros que o programa dispõe para que possam continuar estimulando seus filhos em casa e persistir na continuidade do programa.

Valeria Sáez, tutora HIPPY de Renaico, indicou que uma das ferramentas que funcionam para motivar as famílias é realizar visitas domiciliares nos momentos em que as famílias têm tempo livre, ir com uma atitude positiva e compartilhar experiências de seus próprios filhos.

Em Traiguén, as tutoras María José Fuentes e Francisca Sánchez, ressaltaram que uma das formas de manter o compromisso das famílias é através da permanência da equipe de tutores, uma vez que a consolidação de vínculos e confiança, promove a permanência delas.

Por fim, os diretores do HIPPY de cada país apresentaram as ações mais relevantes que realizaram durante o ano e o que significaram para o desenvolvimento das crianças das famílias participantes. Eles destacaram, por exemplo, o crescimento em cada um de seus países, atingindo ainda mais de 4.675 famílias hispânicas em HIPPY nos Estados Unidos no ano letivo de 2021-2022.