May 31, 2021

Às margens do Lago Lleulleu, cujas águas são consideradas das mais limpas da América do Sul, de acordo com a Direção Geral de Águas (DGA), iniciou-se um ambicioso plano de restauração e reflorestamento que visa melhorar a qualidade de vida das comunidades Mapuche que habitam a região. área e preservar a sua cultura e tradições.

Raulí, carvalho, quillay, arrayán, araucaria araucana e coihue são os exemplares que as famílias cultivam dentro dos 19 viveiros construídos para essas finalidades, após um processo inédito de trabalho conjunto entre 14 comunidades do setor e a CMPC, viveiros que já atingem a produção de cerca de 100.000 plantas nativas para restauração e 70.000 em germinação.

Nessas instalações, que começaram a funcionar em meados de 2019, trabalham cerca de 150 pessoas, das quais 95% são mulheres, muitas delas chefes de família. Além disso, geram outros 35 empregos indiretos relacionados à alimentação e transporte, aos quais serão somadas posteriormente cerca de 50 pessoas que irão plantar essas espécies nativas em locais que garantirão sua propagação estável.

Segundo Augusto Robert, gerente de Assuntos Corporativos da CMPC Zona Sul do Chile, é fundamental que esses viveiros sejam administrados por pequenas empresas formadas por membros das comunidades mapuches da região, que por sua vez contratam trabalhadores que também pertencem a elas. “Isso gerou um círculo virtuoso entre as necessidades de melhorar a qualidade de vida das pessoas e preservar seu ambiente natural que lhes permite manter suas tradições”, disse o executivo da CMPC. 

Vale destacar que este trabalho foi realizado em conjunto com a Corporação Industrial para o Desenvolvimento Regional do Biobío (Cidere) e a Universidade de Desenvolvimento, que desenvolveu um plano de negócios para a produção e comercialização dos viveiros.

PLANO INTEGRAL 

A iniciativa de reflorestamento chamada “Projeto Lleulleu” faz parte do plano de desenvolvimento zonal abrangente, onde a CMPC, junto com as comunidades, trabalha em programas que aumentam a empregabilidade, acabam com o abandono educacional, melhoram a infraestrutura comunitária, fornecem acesso à água para consumo humano e irrigação, promove o turismo e gera alianças para promover iniciativas de desenvolvimento.

“A CMPC tem focado o seu plano de relacionamento com a comunidade na busca de implementar soluções concretas, e no mais curto espaço de tempo possível, para os problemas que surgem tanto do diagnóstico final de cada área de intervenção como do diálogo com as comunidades envolvidas”, afirma Robert.

A companhia possui mais de 390 comunidades Mapuche em torno de suas operações florestais, promovendo espaços de diálogo permanente, bem como projetos conjuntos de desenvolvimento, que vão desde empreendimentos produtivos até a proteção de seus sítios culturais.

Paralelamente aos viveiros, o “Projeto Lleulleu” contempla também melhorias em equipamentos e infraestrutura, como aspectos sanitários, arquitetônicos e mercadológicos da atividade turística. De fato, as comunidades Mapuche receberão infraestrutura, construindo cerca de 10 centros comunitários e melhorando escolas e igrejas.

EDUCAÇÃO

Um problema também detectado nessas longas conversas entre os representantes das famílias e da empresa é o alto índice de abandono do ensino superior.

Por isso, o “Projeto Lleulleu” contemplou permanentemente o trabalho com os jovens, onde são oferecidos apoios, oficinas, tutorias acadêmicas, assessoria para a empregabilidade e bolsas financeiras mensais. Até o momento, 215 alunos foram beneficiados por esse programa, desenvolvido em parceria com uma fundação especializada.

Ainda na área da educação e para ajudar a empregabilidade dos vizinhos, foram incorporados cursos e oficinas de formação para o livre comércio em áreas como turismo, silvicultura, produção vegetal, administração, higiene e manipulação alimentar.

EMPREENDIMENTOS 

Além disso, nas diferentes conversas realizadas, surgiram duas iniciativas de promoção do empreendedorismo: o fortalecimento da cultura da batata e a concretização de uma produção de lenha mais sustentável.

Assim, no final de 2019, quando os agricultores colhiam cerca de 40 toneladas de batata por ano, começaram a trabalhar com a CMPC para comercializar os seus produtos “Poñi, papas de Tirúa”, uma marca que nasceu para entregar um selo às produções da província de Arauco. Hoje são 13 famílias que trabalham na Cooperativa dos Produtores de Batata formada, com o objetivo de poder realizar o sonho que os agricultores acalentam há muitos anos: aumentar sua produção.

A este projeto soma-se o desenvolvimento de um pólo de produção de frutas silvestres, apicultura e hortaliças.

Para que as plantas nativas durem ao longo do tempo, foram construídos 20 profundos poços para irrigação de viveiros e projetos agrícolas. Porém, a quantidade de água encontrada permite uma solução definitiva para a carência do elemento vital para o consumo humano de muitas famílias do setor. Portanto, a CMPC, em conjunto com “Desafío Levantemos Chile”, desenvolve a iniciativa “Desafio Agua para Chile”, que aborda soluções rápidas para este problema.

Também no curto prazo, também será formada uma cooperativa de produção de lenha certificada, na qual cinco comunidades trabalharão no manejo sustentável de 500 hectares de florestas próprias, gerando um produto ecologicamente correto e oportunidades de emprego e renda.

Todo o conjunto de iniciativas que estão em pleno andamento gerou cerca de 400 empregos no manejo florestal na área; prevenção e combate a incêndio; restauração de mata nativa, construção e turismo.

“A indústria florestal e seus derivados representam não só uma resposta sustentável e renovável à crescente demanda por produtos de soluções de base natural, mas também constituem uma poderosa ferramenta para o desenvolvimento das comunidades locais”, finaliza Augusto Robert.