August 25, 2021

Em janeiro de 2020, as perspectivas para o Parque Nacional Nonguén eram sombrias. Um incêndio florestal, originado no setor de Santa Justina de Chiguayante, havia atingido o parque, afetando cerca de 130 hectares, dos quais quase 50% correspondiam à mata nativa. Um ano depois desta tragédia, a Fundação Reforestemos junto com a CMPC e a Corporação Florestal Nacional (CONAF) em Biobío se uniram sob uma aliança que contempla a restauração e recuperação das áreas mais danificadas, e que vem sendo realizada através de uma série de ações durante 2021.

Entre elas está o reflorestamento nativo, de modo que esta manhã, das mais de 42.500 árvores nativas projetadas para recuperar o ecossistema do Parque Nacional Nonguén, 400 já foram plantadas. Essas espécies de quillay se somam aos 8 mil indivíduos de peumo, carvalho, quillay e maqui plantados durante o mês de junho, provenientes do viveiro Carlos Douglas da CMPC.

Participaram da atividade voluntários, entre representantes e colaboradores da CMPC, Conaf Biobío e Fundação Reforestemos, além de parte do público por meio de integrantes do conselho de cultivo, associações de moradores da região e membros da cooperativa Apiconce. Esta foi a primeira atividade voluntária realizada tanto pelo projeto como desde que a reserva Nonguén foi recategorizada como parque nacional. 

“O apoio de cada um é essencial para conservar essas valiosas florestas e evitar novos incêndios que destroem irreversivelmente o ecossistema local. Como Fundação, sabemos que a restauração da natureza restaura a sociedade e, por isso, vamos seguir trabalhando com firmeza neste tipo de iniciativas”, disse Suzanne Wylie, diretora executiva da Fundação Reforestemos.

Além de valorizar o trabalho realizado sob a aliança público-privada, Felipe Alveal, Subgerente de Assuntos Corporativos da CMPC, detalhou algumas das ações que continuam para Nonguén. “A coleta de germoplasma vai continuar, pois com esse material nosso viveiro Carlos Douglas pode macropropagar plantas nativas para reflorestar e restaurar o parque. Somando obras de autorização e execução de tarefas para reflorestar 18 hectares, envolvendo comunidades rurais e urbanas da área de influência. Além disso, o plano de prevenção de incêndios e educação ambiental terá início nas comunidades próximas a Nonguén ”.

Desde o lançamento do projeto, em janeiro deste ano, vêm sendo realizadas ações nas diferentes linhas de atuação, como a silvicultura preventiva: desmatamento em 1,5 km de trilha, viabilização de 5 km de trilha e criação de dois helipontos, a fim de facilitar o eventual trabalho das brigadas. Em breve, será realizada a coleta de mais de 25 mil estacas de quillay e carvalho, que serão somadas à reprodução vegetativa que está ocorrendo.

Para o chefe provincial da Conaf Concepción, Ignacio Espina, “como instituição estamos realizando uma série de ações que levam à restauração do ecossistema presente no Parque Nacional Nonguén. Uma delas é este trabalho que desenvolvemos há meses com Reforestemos e CMPC, que tem como foco a área afetada pelo incêndio de 2020. Quase dois meses após sua recategorização como parque nacional, para nós trabalhar pela conservação de Nonguen é e continuará sendo um tremendo desafio, pois se trata do pulmão verde da Grande Concepção; uma herança para as gerações futuras.”

Juan Lobos Fuentes, presidente do Conselho do Bairro Valle Alto de Nonguén, disse que “é um trabalho que leva muito tempo, mas é uma bela e importante regeneração das árvores nativas, para que as futuras gerações possam continuar colhendo bons frutos daqui”.