March 22, 2021

A Empresas CMPC tem um compromisso firme na redução da pegada de carbono e na maximização do uso eficiente da energia. No final de 2020 a companhia conseguiu a certificação na norma internacional ISO 50001 para gestão energética 19 nas suas principais fábricas e processos produtivos, que representam 94% do consumo de energia de todas as fábricas da empresa.

Essa conquista pode ser observada em 15 fábricas no Chile, 1 no Perú e 3 no Brasil, e como meta para este ano, a empresa pretende chegar a 23 unidades, incorporando processos nos demais países da América Latina onde está presente.

O Sistema de Gestão de Energia (SGEn) da CMPC começou a ser implementado em 2014 em apenas três fábricas de celulose no Chile. Dessa data até 2020, o SGEn tem permitido uma economia em custos de energia equivalente a US$ 98 milhões e uma economia de energia de 8.006 GWhe, equivalente a 2% de todo o consumo de energia no Chile durante um ano.

“O que temos feito com Sistemas de Gestão de Energia e a certificação ISO 50001 é uma radiografia de energia de cada processo para maximizar a eficiência. Medimos cada processo e área de forma que vejamos onde é possível reduzir o consumo de vapor, eletricidade ou algum combustível como óleo ou gás, por exemplo; e tudo isso com procedimentos e metodologia padronizados e auditáveis​​”, afirma Enrique Donoso, gerente de Bioenergias Florestais da CMPC.

O objetivo para 2021 é que 23 fábricas, das três unidades de negócio da empresa Celulosa-Maderas, Biopackaging e Softys, sejam certificadas na norma ISO 50001 versão 2018, em linha com os objetivos ambientais anunciados pela CMPC em setembro de 2019, em particular a redução de 50% nas emissões de gases de efeito estufa até 2030, e “ser mais eficientes e competitivos nos mercados em que atuamos, garantindo processos e atividades sustentáveis ​​no longo prazo”, afirma Enrique Donoso.

Além disso, um outro marco importante foi a internacionalização do sistema de gestão de energia. Enrique Donoso comenta que “em 2019, além das 3 fábricas de celulose e uma fábrica de sacos de papel no Chile, na América Latina tínhamos apenas uma unidade de produção de tissue certificada no Uruguai. Ao longo de 2020, certificamos 3 fábricas Softys no Brasil e no Perú, ou seja, o Sistema de Gestão de Energia foi definitivamente alargado para outros países, e é uma meta para o próximo ano dar um passo decisivo nesta área”.

Graças às certificações obtidas e às medidas de eficiência energética implementadas, a CMPC, desde 2017, pode aplicar no Chile o Selo de Excelência Energética, anteriormente chamado de Selo de Eficiência Energética, concedido pelo Ministério da Energia e pela Agência Chilena de Sustentabilidade Energética , que em 2019 reconheceu a empresa com 4 selos na categoria Ouro para os Sistemas de Gestão de Energia nas fábricas de Santa Fe, Pacífico, Laja e Sack Kraft Chillan e 5 selos na categoria Prata nas fábricas Softys Talagante e Puente Alto, Bucalemu, Mulchen e Coronel, da CMPC Maderas. A Sack Kraft também recebeu o Selo de Destaque em Medição de Eficiência Energética entre todas as empresas participantes. Agora a meta é participar com 15 fábricas no Chile, na categoria Ouro, além de se candidatar para os selos de trajetória e transporte eficiente ou eletromobilidade.

“Estamos à frente da lei de eficiência energética, tanto na implantação dos Sistemas de Gestão de Energia quanto na sua certificação; conseguimos economias muito significativas com esses sistemas e hoje o grande desafio é alargar essas certificações para os demais países da América Latina onde atuamos. Não é um projeto pensado apenas no Chile”, finaliza Enrique Donoso, gerente de Bioenergias Florestais da CMPC.

Sobre o padrão ISO 50001 ano 2018

A norma ISO 50001: 2018 “Sistemas de gestão de energia” é uma norma que define uma estrutura para a gestão de energia por meio da implementação de políticas, procedimentos, objetivos, metas e planos de ação para alcançar o uso eficiente de energia, redução de custos e redução de gases de efeito estufa. Além, busca que a eficiência energética se traduza em poupança econômica. O padrão foi publicado pela primeira vez em junho de 2011 e atualizado em agosto de 2018.

 

Plantas certificadas ISO 50001 versão 2018