August 20, 2022

Nesta quinta-feira, 18 de agosto, a Empresa CMPC, por meio da CMPC Ventures, formalizou a abertura de seu novo escritório na Finlândia. Especificamente, as instalações estão localizadas dentro da Universidade de Aalto, em Helsinque, capital da nação nórdica.

Foram o Presidente do Conselho de Administração da CMPC, Luis Felipe Gazitúa, juntamente com o Gerente Geral da empresa, Francisco Ruiz-Tagle, bem como o Gerente de Inovação e Informação, Felipe Alcalde; o Gerente de Assuntos Corporativos e Sustentabilidade, Guillermo Turner, e a Gerente da CMPC Ventures, Bernardita Araya, que deram o Ok para as instalações, nas quais a empresa chilena será representada por Anna Niityla, de nacionalidade finlandesa.

A partir dessa posição, a CMPC poderá se conectar de forma muito mais decisiva aos ecossistemas de inovação existentes tanto na Finlândia quanto no restante dos países nórdicos. De fato, a visita dos executivos da Companhia incluiu também uma série de reuniões em Estocolmo, na Suécia, com representantes do governo sueco, do mundo universitário e da pesquisa.

Com essa abertura, as Empresas CMPC completam sua presença com operações e/ou escritórios comerciais em 12 países ao redor do mundo: Alemanha, Argentina, Brasil, Colômbia, China, Chile, Equador, Estados Unidos, Finlândia, México, Peru e Uruguai.

Um passo mais

O que aconteceu nesta quinta-feira é mais um passo do que foi dado em janeiro quando se concretizou a parceria entre a CMPC e o Grupo finlandês Nordic Bioproducts para a produção de fibra têxtil a partir de celulose. O desenvolvimento foi ampliado a partir da tecnologia patenteada AaltoCell de propriedade da universidade. Além disso, a empresa criou uma nova fibra têxtil de origem vegetal: a Norratex. Ambas as tecnologias estão na fronteira do desenvolvimento tecnológico para o tratamento da celulose, pois não utilizam componentes químicos tóxicos ou solventes, permitindo produtos mais sustentáveis e amigáveis com o planeta, tornando-se uma opção ideal para outros materiais provenientes de combustíveis fósseis.

A aliança entre a CMPC e o Nordic Bioproducts Group contempla nesta primeira etapa por parte da companhia chilena um investimento de 6,5 milhões de euros para acelerar o aprimoramento da tecnologia de fibra têxtil. Para isso, estão em construção instalações dedicadas à Pesquisa e Desenvolvimento, que os executivos da CMPC puderam visitar e verificar seu andamento.

Ampla agenda na Suécia e Finlândia

A turnê da CMPC pelo norte da Europa começou oficialmente na segunda-feira, 15 em Estocolmo com uma reunião com Regina Summer, Gerente Sênior de Estratégia e Colaboração Internacional da Vinnova, instituição governamental daquele país encarregada de promover a inovação por meio da colaboração entre seu governo, empresas privadas e o mundo dos acadêmicos.

Também foi realizada uma reunião com representantes da Business Sweden, veículo do país para conectar os setores público e privado para a exploração de novos negócios. Também foram realizadas reuniões multilaterais com membros do RISE, do Instituto Sueco de Inovação e Desenvolvimento, além de representantes do Wallenberg Wood Science Center e da KTH, a principal universidade técnica da Suécia. Por fim, a agenda na Suécia encerrou com uma visita ao Kista Innovation Center, localizado no que é conhecido como Silicon Valley sueco.

Desde a manhã de quarta-feira, a agenda na Finlândia considerou reuniões com as mais altas autoridades de Business Finland, lideradas pela sua CEO, Nina Kopola, bem como representantes dos Ministérios de Relações Exteriores e de Economia e do Trabalho.

Também na quarta-feira, executivos da CMPC visitaram os escritórios de Sitra, o Fundo de Pesquisa, Desenvolvimento e Futuro liderado por Jyrki Katainen, ex-primeiro-ministro da Finlândia, com quem a delegação chilena teve a oportunidade de compartilhar e discutir tendências futuras.

Na quinta-feira, a agenda centrou-se na inauguração dos escritórios da CMPC, mas também em uma reunião com a VTT, um dos principais centros de pesquisa da Finlândia, com especial enfoque no desenvolvimento de novos produtos a partir de fibras de celulose.

Finalmente, de volta às instalações da Universidade de Aalto, Gazitúa, Ruiz-Tagle e os demais representantes da CMPC conheceram em primeira mão os primeiros protótipos de produtos feitos 100% com base em celulose da CMPC.

“Tanto na Suécia quanto na Finlândia, a mensagem que ouvimos é uma só: para avançar a esses níveis de desenvolvimento e bem-estar, é necessário um trabalho conjunto entre governos, setor privado e universidades. Esse é o segredo do sucesso dos países nórdicos que tanto admiramos”, disse Luis Felipe Gazitúa, Presidente do Conselho de Administração da CMPC.

“A propósito, uma empresa como a CMPC faz ainda mais sentido o que ouvimos nessa turnê, porque estamos falando de dois países eminentemente florestais. Para dar apenas um exemplo: na Suécia mais de 73% da área são florestas e dessas, 80% tem manejo produtivo”, acrescentou.

“Poder abrir este escritório e, acima de tudo, aprofundar nossa aliança com a Universidade de Aalto e o Nordic Bioproducts Group nos enche de orgulho e também desafios, pois nos instala em um dos ecossistemas de inovação mais desafiadores e interessantes do mundo. As apostas são muito grandes e a longo prazo, e certamente motivará todos nós a enfrentar os desafios tentando perder o medo de errar.”

“Há alguns anos, tomamos a decisão de promover fortemente a inovação. O setor florestal em geral e a CMPC, em particular, têm muito espaço para avançar, pois nossos produtos, à base de fibra vegetal de celulose, são justamente aqueles que são acompanhados de perto por seus múltiplos benefícios como um substituto para outros produtos muito mais poluentes fabricados de combustíveis fósseis. ”

O processo Aaltocell

No método NBG, a celulose é primeiramente transformada em pequenas partículas de maneira ecológica e econômica, usando o método patenteado AaltoCell™. O inventor do método AaltoCell™, o professor Olli Dahl da Universidade de Aalto, estava convencido desde o início de que o método também poderia ser aplicado à produção de fibras têxteis à base de plantas.

O processo Norratex

A NBG vem explorando há vários anos um novo método de ativação da celulose para a produção de fibras têxteis, e em julho do ano passado foram desenvolvidas as condições ideais. Agora, o processo Norratex pode usar celulose kraft de fibra curta e longa, o que é uma vantagem significativa em relação à viscose tradicional, que é feita da dissolução de celulose, e cujos custos podem ser até 30% maiores.

Olli Kähkönen, Cofundador e Diretor de Inovação do Nordic Bioproducts Group:

“As diretrizes de colaboração são fundamentais para o sucesso do projeto. Fizemos uma parceria com a CMPC para iniciar um período intensivo de desenvolvimento de produtos de aproximadamente um ano. Depois, se tudo correr como o planejado, começaremos a produzir fibra têxtil Norratex em uma escala de teste.”

Com um investimento total até o momento de 6,5 milhões de euros, o plano de trabalho contempla a criação de uma planta de pequena escala para iniciar a produção de amostras para clientes e principais parceiros, bem como otimizar o processo da nossa fibra. O plano de longo prazo inclui marcos importantes para aumentar a capacidade de produção da Norratex, que tem potencial para ser uma das fibras têxteis mais sustentáveis do mundo.