August 3, 2020

O longo confinamento que grande parte da população chilena está enfrentando hoje para impedir a propagação do Covid-19 levou as compras eletrônicas a registrar um forte aumento, beneficiando o comércio que durante o primeiro semestre deste ano registrou um crescimento de 102, 6%, de acordo com o Índice de Vendas Online da Câmara Nacional de Comércio do Chile.

Diante dessa crescente atividade, uma das preocupações levantadas é como garantir que os produtos cheguem ao cliente em perfeitas condições, principalmente se considerarmos que as solicitações passam pelos mais variados produtos, como alimentos, roupas, remédios, brinquedos, materiais para construção e tecnologia, entre outros.

Além disso, somado ao aumento da demanda por embalagens cada vez mais amigáveis ao meio ambiente. Esse requisito também tem aumentado desde que o Chile se comprometeu em 2018 acabar com a circulação de sacolas plásticas.

De fato, nesta segunda-feira, (3), foram cumpridas as diferentes metas descritas na Lei 21.100, desde a entrada em vigor da última etapa deste regulamento, que estabelece que as micro, pequenas e médias empresas, armazéns e feiras já não poderão mais entregar sacolas plásticas para seus clientes.

Nesse contexto, a CMPC aderiu a essa mudança e desenvolveu dois novos produtos que serão utilizados para fins de entrega e embalagem de cimento. Alguns desses novos produtos são feitos de materiais naturais de plantações florestais renováveis e sustentáveis, e outros são feitos de papel reciclado.

O gerente de Inovação, Felipe Alcalde, afirma que a preocupação da CMPC é contribuir com esta mudança. “Na CMPC estamos trabalhando muito para oferecer soluções inovadoras e sustentáveis aos nossos clientes, queremos ser parceiros no desenvolvimento dessas soluções e criar com elas alternativas que gerem mais valor”, afirmou o gerente de Inovação que ainda agregou: “Com esses produtos, a CMPC busca contribuir ativamente na eliminação de resíduos plásticos e na conquista de uma mudança em direção a uma cultura mais sustentável e preocupada com o meio ambiente”.

Saco para delivery
Um dos problemas que o delivery teve durante estes meses foi garantir ao consumidor que o produto adquirido cumpra todas as medidas sanitárias e de privacidade, além de ajudar a evitar a contaminação deixada pelo uso maciço de sacolas plásticas.

Procurando uma solução para esse problema, a CMPC criou a Bolsa Selada e Segura para Delivery. Sua principal característica é que possui uma faixa de papel na abertura superior e uma fita autoadesiva que permita que seja selada quando o conteúdo é colocado em seu interior.

Isso dará uma maior garantia de segurança do conteúdo, evitando qualquer tipo de manipulação entre o restaurante ou a loja e o cliente, o que também permite satisfazer a crescente preocupação dos clientes pela possibilidade de manipulação da bolsa por terceiros, causando a perda do conteúdo ou à sua contaminação.

Saco D-Sack
Cada uma das ações adotadas para diminuir o impacto da atividade econômica no meio ambiente, tanto no nível governamental quanto nas empresas, permite a redução das respectivas pegadas de carbono e, em muitos casos, ir um pouco mais além, incorporando as atividades para os propósitos da economia circular.

Um exemplo dessa contribuição é a criação da sacola D-Sack para armazenamento e transferência de cimento. Sua principal característica é que, dada sua composição, permite que seja introduzido diretamente no topo ou misturador onde o concreto é preparado, o material se decompõe na mistura como resultado de ação mecânica.

Deve-se enfatizar que o gerenciamento de resíduos de materiais de construção nas obras sempre foi um problema difícil de resolver e, em geral, não há logística para sua recuperação, o que se torna ainda mais complicado em áreas não urbanas.

Portanto, a sacola D-Sack feita pela CMPC fornece uma solução sustentável que auxilia na disposição de resíduos nos canteiros de obras, principalmente considerando áreas com dificuldades no manuseio de resíduos, uma vez que a sacola quando misturada ao cimento passará para ser mais um elemento da construção, alcançando uma nova utilidade. Cada unidade é capaz de transportar 25 kg de cimento.