July 5, 2021

Por gostar de flores, Eva Maldonado decidiu abrir um empreendimento com elas. Plantou lírios, cravos e gladíolos em seu terreno, na zona rural chilena de Santa Ema de Collipulli, na Região de La Araucanía, e depois saiu para vendê-los. Mas a água era tão escassa, que chegou um momento em que ela não podia mais regar suas flores. Ela priorizou dar água aos pássaros e suas plantas morreram. Maldonado diz que aqueles dias foram tristes e a irritaram. “Eu chorava porque gosto muito de plantas, mas não conseguia criá-las. Não dava para fazer nada, nem criar pássaros, plantas, nada”, diz.

Não só ela não tinha água para suas flores, mas também havia pouca água para seu uso pessoal. “Para tomar um bom banho, era preciso recolher a água quando chovia. Eu ficava mais feliz quando chovia, porque ali eu podia me lavar”, conta. Suas mãos também doíam, porque, como a água não dava para encher a máquina de lavar, ela tinha que lavar com escova. A situação era tão difícil para Eva que ela chegou a pensar em deixar seu campo e ir morar com um de seus filhos.

Para fazer frente à escassez de água vivida nas zonas rurais das regiões do Biobío e La Araucanía, foi lançado no ano passado o “Desafio da Água para o Chile”, projeto promovido pelo “Desafío Levantemos Chile” e CMPC, que pretende executar soluções que facilitem o acesso à água para várias famílias em ambas as regiões. Para este ano, até o momento cerca de 250 famílias já contam com esse benefício, e a previsão é de que até o final de 2021 seja atingido um total de 500 famílias, que somadas àquelas que, no ano passado obtiveram água direta em suas casas, 750 famílias vão conseguir ter uma melhor qualidade de vida.

Entre as comunidades que já possuem água potável estão Marileo, em Lautaro; Chanquín-Millaray, Lolcura, Ignacio Levío e a Câmara Municipal de Lolcura, em Collipulli; a comunidade José Cayuman e o setor Liucura Bajo de Lumaco. Durante este ano, se juntarão Peleco, em Cañete; Cachoeiras Chancagua e Santa Ema de Collipulli.

“Desafío Agua para Chile” é caracterizado pela execução de projetos hídricos com rápida implementação. A CMPC e o “Desafío Levantemos Chile” identificam comunidades de 20 a 30 famílias com problemas de acesso à água e implementam uma solução entre o período de dois a seis meses. A execução dos projetos envolveu diversas soluções, como a captação de água de nascentes e poços naturais, que se acumula em suprimentos e contêineres que posteriormente distribuem o recurso por meio de uma rota de tubulações até as residências dos beneficiários.

Nicolás Birrell, diretor executivo do “Desafío Levantemos Chile”, afirma: “Acreditamos que a água tem o poder de mudar vidas, pois, graças a este tipo de iniciativa, as pessoas não só têm acesso a este bem básico, mas também conseguem a um melhor desenvolvimento, trabalho e crescimento. Estamos muito orgulhosos de todo o trabalho que realizamos junto com a CMPC, na região de La Araucanía e na região de Biobío. Este projeto se junta a outras iniciativas que irão contribuir para melhorar o futuro de diferentes comunidades. ”

Por sua vez, Ignacio Lira, Subgerente de Assuntos Corporativos do Sul da CMPC, explica que o objetivo do projeto é enfrentar os problemas vividos pelos moradores das comunidades rurais de Biobío e La Araucanía, para que possam realizar atividades básicas como qualquer pessoa, como tomar banho ou lavar roupas. “Como CMPC, queríamos nos responsabilizar por este problema e trabalhar em conjunto com o “Desafío Levantemos Chile” para gerar soluções que levem água de qualidade a essas famílias, tanto para consumo humano como para uso em projetos agropecuários”. Lira destaca que La Araucanía, dentro de todas as regiões do país, é a que apresenta os piores índices de população com acesso à água e, por isso, o projeto ataca um problema que é urgente.

O projeto inclui a construção e beneficiação de poços de água para consumo humano, além de permitir a irrigação de pequenas hortas e hidratação de animais de fazendeiros. “Agora posso me lavar quando quiser e posso ter plantas. Posso fazer tudo e criar mais animais agora. Com isso, qualquer um consegue viver, porque no campo se sobrevive criando animais ”, diz Eva Maldonado.

Odette Aburto, outra vizinha de Santa Ema, afirma que a iniciativa gerou uma mudança drástica em sua casa, já que hoje ela realiza tarefas básicas com facilidade. “Agora tenho uma máquina de lavar automática. Antes eu tinha que lavar roupas com as mãos uma vez por semana. Agora não tenho esse problema, posso fazer minhas coisas, minhas atividades, lavar louça, tomar banho. Tivemos muitos problemas com o banho, tínhamos que entrar rapidamente e sair”, afirma.

Ignacio Lira afirma que o impacto que a solução da água gera na qualidade de vida dos vizinhos é enorme e acredita que a iniciativa é capaz de transformar vidas. “Antes tinham que esperar a chegada de um caminhão pipa para distribuir 100 litros de água para usar de forma muito racionada. Eles tinham que escolher se queriam lavar a louça, se queriam tomar banho ou fazer outro uso daquela água. É a primeira vez que abrem a torneira de suas casas e veem a água sair. É incrível a alegria que se vê e como esse projeto pode ser transformador ”, afirma.

Hoje, com a solução de água instalada em sua casa, Eva Maldonado tem uma estufa e pretende construir outra, principalmente para hortaliças. “Eu estava prestes a ir morar com meu filho, porque pensei que nunca teria água. Mas, agora não estou saindo do meu campo “, diz ela. Além disso, como gosta de flores, diz que tem “uma selva dentro de casa”, pois agora pode regar todas, sem ter que priorizar o que fazer com o recurso.