June 8, 2021

Como a “maior crise de todas”, descreveu o ex-presidente Ricardo Lagos sobre o momento que o Chile e o mundo atravessam. E não se referiu apenas ao coronavírus, mas também ao problema que o antecedia: a mudança climática e as demandas sociais não atendidas. Convencido de que as empresas devem se juntar para uma mudança de paradigmas orientada no enfrentamento da crise de maneira sustentável, o ex-presidente esteve presente, virtualmente, no Lançamento do Relatório Integrado 2020 da CMPC, apresentado pelo presidente da companhia das Empresas CMPC, Luis Felipe Gazitúa, e o gerente geral da empresa, Francisco Ruiz-Tagle.

O político explicou na reunião que, durante a revolução industrial, existia “a idílica concepção de que o planeta estava à nossa disposição”. No entanto, acrescentou que durante a transição da revolução industrial para a revolução digital, o ser humano começou a perceber que o planeta é finito, que tem de ser mudado e ocupado de forma sustentável. 

“Estávamos nesse desafio quando surgiu uma pandemia no mundo, que coloca o ser humano de uma forma diferente, onde nunca se pensou que teríamos mil, dois mil, três bilhões de seres humanos trancados em suas casas, porque somos incapaz de impedir que uma vacina resolva esse vírus trazido ao mundo com essa velocidade ”, disse Lagos.

Assim, o ex-presidente afirmou que hoje é um momento muito crucial. Nesse contexto, perguntou-se: e o Chile? “É muito importante como somos capazes de reativar a economia, mas entendendo que, embora o crescimento econômico seja primordial, é ainda mais importante como se trata a questão do emprego”, disse às autoridades e aos colaboradores da CMPC que participaram remotamente deste lançamento.

Especificamente, Lagos disse que “a forma de abordar o emprego é através da procura de mecanismos pelos quais vamos fazer investimentos, que ao mesmo tempo passam por um dos 17 Objetivos do Milénio das Nações Unidas”. Este acordo reúne todos os países do mundo e os orienta sobre como deve ser o planeta em 2030 e como isso pode ser alcançado até aquele ano de forma sustentável e respeitando o meio ambiente. 

“Antes da pandemia, o desafio era muito claro: tínhamos que seguir crescendo. No entanto, hoje, desses 10 milhões que trabalhavam antes da pandemia, há cinco milhões de trabalhadores chilenos que estão desempregados ou tiveram suas rendas radicalmente diminuídas”, enfatizou.

O papel ativo das empresas para enfrentar a crise

Convencido do papel fundamental que as empresas têm na oferta de empregos em organizações aderentes aos Objetivos do Milênio, Lagos destacou os avanços da CMPC detalhados em seu Relatório Integrado 2020. Especificamente, o texto contém informações transparentes, mensuráveis ​​e úteis nas áreas de meio ambiente, sustentabilidade social e financeira desenvolvida ao longo do ano passado.

Entre as conquistas destacadas no relatório da CMPC 2020 está o avanço de 64,2% da meta de agregar 100 mil hectares de conservação e / ou proteção até 2030 aos mais de 320 mil hectares que a empresa já aloca para essas finalidades. Além disso, houve progresso de 28,6% na meta de ser uma empresa de resíduos zero até o final de 2025 e de 21,2% na redução das emissões absolutas de gases de efeito estufa em 50% até 2030.

A participação de Ricardo Lagos no lançamento do Relatório Integrado CMPC não foi acidental. O presidente das Empresas CMPC, Luis Felipe Gazitúa, comentou que o ex-presidente, junto com a empresa, antecipou os desafios que viriam nas próximas décadas. “Ele nos advertiu há 21 anos, quando na qualidade de Presidente da República participou dos 80 anos da nossa empresa. Lá ele nos disse: ‘temos que saber compatibilizar a indústria florestal com o meio ambiente’ ”, lembrou Gazitúa.

Por sua vez, Francisco Ruiz-Tagle, gerente geral da CMPC, explicou que “na empresa entendemos a sustentabilidade como um processo integral. É por isso que falamos de uma cultura de sustentabilidade, que se traduz internamente, em aspectos como a formação em boas práticas, e externamente, como prevenção de incêndios rurais e contribuições para as comunidades ”.

Sobre o Relatório, o ex-presidente Lagos destacou que o texto serve como prova de que as empresas podem pensar e utilizar uma nova forma de fazer gestão e operar. “Aqui está a maneira de entender como devemos seguir em frente. Quando uma empresa faz o que está fazendo, significa que estamos no caminho certo. Esta empresa aproveitou o melhor do multilateralismo a nível global e disse ‘Também posso contribuir’ “, afirmou Ricardo Lagos.

Nesse sentido, Luis Felipe Gazitúa explicou que “sabemos e reconhecemos que são desafios que exigem uma nova concepção das empresas. Por isso, na CMPC estamos dispostos a ser os protagonistas desses processos. Com base em tudo o que construímos, temos a certeza de que devemos ser arquitetos de uma nova indústria florestal e para isso estamos trabalhando”.

Nesta mesma linha, Francisco Ruiz-Tagle afirmou que “estabelecemos como objetivo aumentar a recuperação da biodiversidade dentro e fora do património da CMPC; prevenir a degradação dos ecossistemas e promover as funções que fornecem à sociedade; e valorizar o papel essencial das áreas de preservação natural e cultural, dentro ou fora do patrimônio da Companhia ”.

Os desafios que a pandemia expôs

Além dos desafios de sustentabilidade nos quais a CMPC avançou, o ex-presidente Lagos explicou que no Chile também existem alguns desafios não relacionados à pandemia e ao aquecimento global há anos, mas que hoje, em meio a uma crise, estão expostos de forma mais clara.

O ex-chefe de estado reconheceu que esforços têm sido feitos nesse sentido, como a aprovação dos salários mínimos comuns e da renda familiar emergencial. No entanto, ele afirmou que essas ajudas estão “um pouco atrasadas”. “Se tivéssemos feito isso antes, estaríamos em uma situação diferente”, enfatizou. Nesse sentido, afirmou que hoje é uma prioridade “recuperar a confiança que se perdeu dos cidadãos”.

Além disso, o ex-presidente afirmou que desde antes da pandemia existiam “situações que haviam sido adiadas há muito tempo e que explodiram em 18 de outubro de 2019, com as crises sociais no chile”. Consequentemente, segundo Lagos, “temos que nos responsabilizar por essas demandas, problemas que eu diria que são consequências de não termos entendido que era preciso avançar de maneira adequada”.

Como parte da recuperação da confiança, o ex-presidente vê com otimismo o processo constituinte pelo qual o Chile está passando e apoiou o papel dos constituintes: “Ninguém pode dizer que essas 155 convenções não representam o espírito do país. Nesses 155 chilenos e chilenos se expressam as demandas e se expressam como querem construir o país ”.

Portanto, concluiu dizendo que o Chile tem dois desafios de curto prazo: saber como será reativada a economia, especificamente em termos de empregos, e saber como funcionará a assembleia constituinte.