August 31, 2022

Mais de 300 jovens do terceiro e quarto colegial fizeram parte da Escola de Formação para Ingresso ao Ensino Superior (EFIES). Em 2021, 80% dos alunos que fizeram parte do programa, promovido pela CMPC e Formando Chile, ingressaram no ensino superior. Agora, após a diminuição dos casos da Covid-19, os alunos regressaram para as salas de aula localizadas no interior da fábrica da empresa no bairro.

Desde os 13 anos, Vânia Coñolet queria estudar medicina. Depois de ver os familiares passarem por problemas de saúde, ela percebeu a ajuda e o apoio que os médicos podem dar às pessoas. No entanto, ela rapidamente soube que entrar naquela corrida não seria fácil: “Ficou muito difícil para mim saber que eles pediram uma pontuação muito alta e fiquei nervosa. Eu queria me inscrever em um cursinho, mas percebi que em alguns eu tinha que pagar muito e, naquele momento, comecei a me decepcionar”, diz.

No início deste ano, Vânia soube da existência de uma Escola de Formação para Ingresso no Ensino Superior (EFIES). Ela conta que “a escola nos informou que havia um cursinho que era totalmente gratuito e que poderíamos nos inscrever. Minha mãe me disse para eu aproveitar essa oportunidade e me animei de novo.”

O programa EFIES é um cursinho gratuito que visa aumentar as chances de ingresso dos alunos do terceiro e quarto colegial, do bairro de Puente Alto, para que possam ingressar na universidade, em centros de formação técnica ou institutos profissionais. O programa não possui seleção acadêmica e o único requisito é ser ou ter se formado em uma escola municipal ou subsidiada, com índice de vulnerabilidade escolar superior a 70%.

Atualmente, são 120 alunos do bairro que encontraram apoio acadêmico e emocional no programa EFIES, promovido pela CMPC e Formando Chile. Após dois anos de aulas virtuais, o cursinho voltou para as aulas presenciais nas disciplinas de matemática, linguagem e autoconhecimento, todos os sábados, das 8h30 às 14h, na fábrica da CMPC em Puente Alto.

Francisco Torrealba, vice gerente de Assuntos Públicos da CMPC, explica que “a ideia deste programa é dar-lhes ferramentas para que tenham mais opções de acesso à educação profissional, seja em um instituto profissional ou em uma universidade, mas que possam posteriormente dar continuidade aos seus estudos. O fato de poder reabrir as salas nos deixa muito felizes porque gera uma dinâmica muito mais rica em termos de aprendizado. Foi assim que o programa foi concebido originalmente. Que venham aqui, que tenham aulas, que tenham um lugar para aprender.

Por sua vez, Pablo Hormazábal, diretor da Formando Chile, destaca que a aliança gerou um impacto positivo na comunidade. “Estamos muito felizes em voltar para as aulas presenciais este ano, e poder reencontrar um lugar que nos recebeu por tanto tempo. É importante que os alunos sintam esse espaço como seu, para que sintam um grande sentimento de pertencimento ao programa e, assim, motivem a assiduidade. Tudo isso é ainda mais importante no cenário educacional que estamos vivendo pós-pandemia, onde programas complementares à escola assumem uma importância ainda maior, especialmente para o desenvolvimento integral que buscamos promover”.

Desde 2019, quando a iniciativa começou, mais de 200 jovens do bairro foram beneficiados pelo programa. Em 2021, dos 37 alunos que fizeram parte do cursinho, 24 ingressaram em carreiras universitárias e 4 de carreiras técnicas. As casas de estudos mais repetidas foram a Universidade de Santiago, a Pontifícia Universidade Católica e a Universidade Autônoma, enquanto entre as carreiras mais frequentes estavam arquitetura, psicologia, cinesiologia e pedagogia.

Javiera Campos, aluna que fez parte do EFIES em 2021 e que agora participa como gerente de logística da sede de Puente Alto, diz que “sinto que faz muita diferença com outros programas, pois é gratuito e de fácil acesso. Mas também acho importante que não se concentre apenas nos acadêmicos, e aprendi muito sobre como gerenciar as emoções.”

Nicolle Gonzales, outra das alunas do cursinho, destaca que “tem sido uma experiência muito bonita porque aqui, além de nos ajudar com os estudos e tirar todas as dúvidas, eles se preocupam com você. Eles ajudam você a melhorar a mente e fortalecer. É um apoio muito importante para isso.”

O cursinho não fica apenas no acadêmico, mas também toda semana é realizado um curso de orientação vocacional e habilidades socioemocionais que ajudam os alunos a desenvolver outras áreas de suas vidas, a fim de entregar uma formação integral.

“Sou muito grato por ter me inscrito no EFIES, eles nos ajudaram muito na preparação, geraram uma grande mudança na minha vida e eu me senti apoiada em todos os momentos. De minha parte, tem sido uma experiência legal”, diz Vânia.