December 21, 2022

A empresa foi escolhida pelo Dow Jones Sustainability Index (DJSI) como a segunda empresa mais sustentável na categoria Pulp & Paper. A abordagem de sustentabilidade da CMPC faz parte de sua estratégia corporativa e se baseia em padrões e compromissos globais em torno da proteção dos direitos humanos, relações trabalhistas, meio ambiente, educação e trabalho decente.

Pelo segundo ano consecutivo, o Índice Dow Jones de Sustentabilidade reconheceu a CMPC como uma das empresas mais sustentáveis do mundo. Especificamente, a empresa ficou em segundo lugar na categoria Pulp & Paper. Além disso, foi incluída nos indicadores da indústria “DJSI Chile”, “MILA Pacific Alliance” e “Emerging Markets”, que reúnem empresas de mais de 27 países.

O Dow Jones Sustainability Index (DJSI), é um índice internacional que avalia diferentes indicadores sobre o desempenho sustentável das empresas listadas na bolsa de valores. Desta forma, a medição permite ter uma visão panorâmica de diferentes indústrias da economia mundial em termos ambientais, sociais e econômicos, distinguindo as empresas que mais se destacam nestas áreas.

Sobre o desempenho da CMPC, o gerente geral da empresa, Francisco Ruiz-Tagle, disse que “é muito gratificante para todos nós que fazemos parte das Empresas CMPC que o DJSI mais uma vez nos tenha considerado entre as empresas mais sustentáveis do mundo. E, acima de tudo, é uma nova ratificação que as metas ambientais que estabelecemos, a maneira como nos relacionamos com as comunidades, em suma, como estamos fazendo o nosso trabalho, estão indo na direção certa”.

São muitas as iniciativas que a empresa tem liderado com sucesso para garantir um desenvolvimento mais sustentável no seu caminho de crescimento. Por exemplo, em questões ambientais, a empresa assinou compromissos que fazem parte de sua estratégia corporativa.

Especificamente, a empresa estabeleceu quatro metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 das Nações Unidas. Em primeiro lugar, e tendo em vista o ano de 2030, procurará reduzir 50% das emissões de gases com efeito de estufa, tomando como base as emissões de 2018. A segunda tem a ver com a redução em 25% do uso de água industrial por tonelada de produto até 2025. Além disso, e com vista ao final de 2025, a CMPC procurará ser uma empresa de desperdício zero, através da redução da geração de resíduos, da sua valorização como subprodutos e do reforço dos modelos circulares. Por fim, a empresa estabeleceu a meta de agregar, até 2030, 100 mil hectares de conservação, restauração e/ou proteção.

Da mesma forma, a visão da CMPC vai além do seu trabalho, que entende que os seus aliados, fornecedores e clientes também devem alinhar-se sob os mesmos princípios sustentáveis. É também por isso que, em 2021, a empresa aderiu à campanha Business Ambition for 1.5 °C, que foi lançada em 2019 pela Science Based Targets e que visa comprometer as empresas a reduzir o seu impacto no ambiente na sua cadeia de produção e reduzir as suas emissões de gases com efeito de estufa a fim de limitar o aumento da temperatura global a não mais de 1,5 °C acima dos níveis pré-industriais.

Desenvolvimento local

No campo social, a empresa procura ser um fator de desenvolvimento para os territórios em que está presente. Através de uma estreita ligação com as comunidades, a CMPC pretende gerar oportunidades de desenvolvimento social e econômico a nível local. Assim, a empresa implementou vários programas que buscam potencializar as capacidades das pessoas e comunidades.
Uma de suas maiores apostas tem a ver com a educação. É por isso que a empresa está construindo o Campus Nacimiento CMPC-Duoc UC, a primeira escola de estudos de ensino superior no bairro e localizado na região de Biobío, que sediará sete carreiras. O campus terá mais de 3500 m2 e contará salas de primeira geração, bibliotecas, auditório, laboratórios e grandes espaços comuns, entre outros.

Assim, entre as dezenas de iniciativas, estão os espaços Fibra Local e Primeros Pueblos, locais onde empreendedores de comunidades rurais do sul do país podem comercializar seus produtos; Desafío Agua para Chile, que implementa soluções de água para o consumo humano e/ou agrícola em diferentes territórios de difícil acesso e o Desafio Comuna Sin Basura, que educa e faz parte da comunidade em tarefas de reaproveitamento de resíduos e que já conseguiu a reutilização de mais de 64 toneladas desde o seu lançamento no final de 2019, entre muitos outros.